domingo, 15 de janeiro de 2017

"Ectoplasma" - Novo verbete da Enciclopédia Espírita Online


A Enciclopédia Espírita Online acaba de ficar mais rica ao ganhar mais um verbete: "Ectoplasma".

Eis a síntese do verbete:

Ectoplasma é uma substância semimaterial fluídica, expelida pelos médiuns, utilizada para a produção de fenômenos mediúnicos de efeitos físicos, por exemplo, a materialização de Espíritos. O termo foi cunhado pelo fisiologista francês Charles Richet e publicado em 1922 no seu Tratado da Metapsíquica, pelo qual ele relata suas observações acerca de manifestações extraordinárias através de médiuns como Eusapia Palladino e Eva Carrière. Na Codificação Espírita, Allan Kardec não utilizou qualquer denominação especial para essa substância; considerando-a como uma variação do fluido Cósmico Universal, dentro da subdivisão daqueles que são necessários para a mediunidade, de maneira que, sem o menor abalo, o uso do termo ectoplasma se consagrou no meio espírita, bem como no meio científico.

Acesse agora mesmo o verbete Ectoplasma.

Aproveite e confira também outros verbetes na Enciclopédia Espírita Online.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Robertinho Rennó no Painel da Música Espírita


O Painel da Música Espírita acabou de ganhar novos títulos, generosamente cedidos pelo músico carioca Robertinho Rennó, títulos esses disponíveis para livre download.

Acesse agora mesmo o Painel da Música Espírita.

Em julho de 2015 ele lançou o CD "Luz do Caminho", aberto com a faixa "AMANHECER". Atualmente, Robertinho Rennó está produzindo o segundo disco, que será intitulado "Canção para Jesus", cuja faixa principal recebe o mesmo título.

CD "Luz do Caminho"

De estilo alegre, moderno, bem ritmado, as suas composições celebram as bonanças da vida com temática espiritual, por exemplo "ABENÇOA, SENHOR" e "É NATAL, TEMPO DE ESPERANÇA". Suas letras inspiram também os valores doutrinários espíritas, como em "SONHOS SÃO SEMENTES".

Robertinho Rennó

Confira a fanpage de Robertinho Rennó no Facebook.

E-mail: robertorenno@gmail.com
Telefone e whatsapp: (21) 96417.2352

Acesse agora mesmo o Painel da Música Espírita.

Atenção: se você também produz música espírita e deseja compartilhar seu trabalho conosco, siga as instruções da página do Painel da Música Espírita.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

"Nossa Nova Caminhada" - livro com psicografias de jovens vítimas da Tragédia da Boate Kiss


Há quase quatro anos a cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, foi palco de uma tragédia que comoveu o Brasil inteiro. No triste episódio em questão, 242 pessoas — jovens, em geral — morreram vítimas de um incêndio ocorrido numa casa de show: a Boate Kiss (veja a matéria aqui).

A Tragédia de Santa Maria, como ficou conhecido aquele episódio, foi recentemente relembrada em decorrência de um outro suplício coletivo: a queda do avião com o time da Chapecoense (veja aqui a matéria), o que reacende o interesse popular em obter mais informações sobre desencarnações coletivas — o que acaba favorecendo a que muitas famílias se abram para a Doutrina Espírita, cumprindo assim exatamente um dos grandes propósitos de uma tragédia: alertar as pessoas sobre as questões espirituais, uma vez que a bonança ou mesmo a trivialidade de uma vida as acomodam e retardam seu desenvolvimento espiritual.

Mas, o que queremos evocar neste artigo é a repercussão de uma iniciativa que  tiveram alguns pais daqueles jovens vitimados na boate Kiss, quando eles se juntaram e lançaram um livro com uma coletânea de cartas póstumas de seus filhos, psicografadas por quatro médiuns.



O livro "Nossa Nova Caminhada" foi lançado próximo do segundo aniversário da tragédia: novembro de 2014. Ele foi assinado por Lidiana Beteza e traz no seu frontispício a inscrição "Psicografias de sete jovens que desencarnaram na Boate Kiss em janeiro de 2013 em Santa Maria, Rio Grande do Sul".


As psicografias foram feitas entre junho de 2013 e agosto de 2014, em centros espíritas registrados na Federação Espírita Brasileira. Os médiuns que receberam as psicografias publicadas no livro são Luiz Cláudio Sousa, da Casa Fraterna Francisco de Assis, Carlos A. Baccelli, do Lar Espírita Pedro e Paulo, Alaor Borges Júnior, do Lar Espírita Irmã Valquíria, todos de Uberaba (MG), e Nilton César Stuqui, do Centro Joanna De Angelis, de Passo Fundo.


A TV Mundo Maior também deu cobertura ao lançamento do livro, trazendo uma análise sobre tragédias coletivas e o caso de Santa Maria.



Eis Alguns trechos das cartas compartilhadas na obra "Nossa Nova Caminhada":


"Estou melhorando e só a saudade é que me maltrata tanto."
"Agradeço todas as homenagens que nos fizeram, mas acredito que de momento estamos precisando de muitas orações. E peço a todos os brasileiros que orem por nós...".

Daniela Betega Ahmad


"Pai e mãe, estimaria vê-los distantes de quaisquer protestos que não me trarão de volta. Vamos lembrar que os responsáveis também têm famílias e não tiveram qualquer intenção quanto à tragédia acontecida. Pensemos no fato como uma fatalidade e hoje já começamos a entender um pouco em sentido mais profundo, do que nos ocorreu do ponto de vista da lei de causa e efeito."
"Em vidas que se foram, mamãe e papai, não raro, nos transformamos em incendiários e não foram poucos os filhos que, em nossas atitudes de violência apartamos dos braços carinhosos de seus genitores."
"Realmente ninguém deve ser considerado culpado pelo que nos sucedeu. Que o episódio naquela casa de espetáculos, em Santa Maria, simplesmente nos sirva de advertência para que sejamos cuidadosos, sobretudo, no respeito que nos cabe devotar aos nossos semelhantes."

Guilherme Pontes Gonçalves


"Aos nossos familiares e amigos, retornem a Santa Maria, levando a certeza de que a vida não termina com a morte. Nós não nos sacrificamos em vão, porque a partir do que sucedeu no último 27 de janeiro as nossas autoridades passaram a ficar mais atentas, zelando para que tragédias semelhantes não continuem ceifando tantas existências promissoras."
Stefani Posser Simeoni


"Mãe e pai, estamos todos vivos, e isto é o que basta. Eu sei que até parece que minha atitude de agora, possa suscitar um possível ato de covardia, mas não é verdade, mãe, estamos precisando mudar os ares de Santa Maria, carecemos de modificar as vibrações de nossa cidade, procurando orar mais uns pelos outros, inclusive pelos infelizes irmãos proprietários da boate, que também têm suas famílias, que não desconheço têm sofrido ameaças e agressões de todos os tipos de criaturas de ânimos mais destemperados."
Leonardo Schopf Vendruscolo

"Mãe e pai, eu e meu irmão tudo fizemos para tentar preservar a nossa vida, mas o tumulto, a gritaria, o desespero, se responsabilizou por tudo que já sabemos."
"Agradecemos, eu e meu irmão, as fotos espalhadas na casa; e na carteira e na bolsa da senhora. Saibam que não nos perderam. Tivemos que ir ali pensem assim, daqui a pouco nós voltamos."

Marcelo de Freitas Salla Filho, irmão de Pedro de Freitas Salla Filho, que também morreu na tragédia da boate Kiss


Mariângela Pontes Gonçalves, mãe de Guilherme, sustenta que há detalhes nas cartas psicografadas que somente o filho poderia saber. Por isso, ela não tem dúvidas quanto à veracidade das mensagens.

"São muitos detalhes íntimos, detalhes de dentro de casa. Tem coisas que não teria como o médium saber, já que lá só se diz o nome da pessoa. Isso nos dá uma certeza absoluta de que elas são verdadeiras"  ela afirma.

“Não se preocupem. Em sua maioria, estamos todos bem”, está escrito em uma das cartas do menino. "Isso nos trouxe um conforto, uma paz no coração. Única coisa que a gente quer saber é se nossos filhos estão bem, aqui ou lá"  completa Mariângela.

Para adquirir o livro, acesse aqui a página O Livreiro.



quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Xenoglossia nos EUA - O espanhol fluente de Reuen Nsemoh


O site da revista Veja publicou recentemente uma matéria, baseada numa matéria da rede televisão CNNum fato inusitado ocorrido nos Estados Unidos: um adolesceu voltou de um coma falando fluentemente espanhol e ao mesmo tempo estranhando seu idioma nativo, o inglês. Obviamente, o caso provocou um espanto geral. O que pode explicar tal fenômeno?

Kardec o explica facilmente. Mas vamos nos inteirar melhor do episódio.

O americano Reuben Nsemoh, de 16 anos, apenas sabia algumas palavras e frases em espanhol, apreendidas graças ao gosto por futebol (soccer, nos EUA) e o hábito de jogar videogame e acompanhar as notícias desse esporte, especialmente o campeonato espanhol (efeito Messi e Cristiano Ronaldo). Ele, aliás, goleiro de um time escolar, no Condado de Gwinnett, Estado da Georgia, acabou sofrendo um trauma após um choque físico durante uma partida. O chute bem na cabeça o deixou desacordado e o levou a um coma que durou por quase um mês.


Ao despertar do coma, Reuben só falava espanhol — com uma fluência de um autêntico nascido na Espanha — e pouco compreendia a sua língua de nascença: a língua inglesa. Segundo a reportagem, as "coisas foram voltando ao normal" gradativamente e cerca de um mês depois, lá estava o jovem falando o seu inglês e "esquecido" do vocabulário falado por Messi — exceção feita às poucas palavras e frases anteriormente apreendidas.

Segundo a hipótese ventilada pelos "especialistas", Reuben sofreria de uma síndrome rara, chamada de "síndrome do sotaque estrangeiro", em que danos cerebrais alteram os padrões de fala de uma pessoa, dando-lhe um sotaque diferente ou fluência em uma nova língua.


Mas, convenhamos, essa teoria é muito fraca, não? Por esses termos, um evento qualquer  como um chute no meio da testa  os neurônios podem sofrer um "distúrbio", uma desorganização, e recombinar informações a ponto de possibilitar que o indivíduo passe a maquinar coisas inteligentes como falar fluentemente um idioma desconhecido. Poderão eles dizer que, na realidade, o vocabulário que se apresentou tão bem organizado após o trauma já estava latentes no cérebro do rapaz. Ele deveria ter absolvido as palavras e frases em espanhol involuntariamente, assistindo TV, por exemplo, e ter registrado no seu subconsciente, ficando esse vocabulário latente. É como se alguém que tenha observado, por anos, um pianista executar seu instrumento, depois de um trauma qualquer, passasse a tocar as peças de Chopin — isso tudo, fruto de uma reorganização neuronal acidental.

É possível mesmo crer numa tese materialista como essa?



O fenômeno poliglota segundo o Espiritismo

Esse fenômeno, que consiste em expressar-se em língua estranha, foi analisado por Allan Kardec, durante seus estudos para a Codificação do Espiritismo.

Em sua segunda obra básica, O Livro dos Médiuns, o codificador atenta para o caso dos médiuns poliglotas, ou seja, "aqueles que têm a aptidão de falar ou escrever em línguas desconhecidas". Aqui, porém, Kardec fixa suas ideias em torno de uma manifestação mediúnica, quando há a incidência da participação de um Espírito que, então, transmite a mensagem e para tal fim ele vai tomar duas vias: a primeira, a mais comum, é a de pegar o vocabulário natural do médium: o Espírito transmite suas ideias em forma de pensamento (que não tem idioma) e essas ideias são então transcritas na língua que o médium conhece; na segunda possibilidade, o próprio Espírito pode imprimir no fenômeno a transcrição na língua que ele (Espírito) souber, a despeito de o médium conhecer ou não esse idioma. Nessa segunda via, o Espírito pode, por exemplo, escrever ou desenhar o que desenha transmitir, como alguém que fisicamente conduz a mão de outra pessoa. (ver Cap. XIX, item 223, perguntas 15 a 17)

No entanto, o caso do Reuben não sugere uma manifestação mediúnica, mas sim um animismo, qual seja, de a alma do jovem recobrar a capacidade de falar espanhol adquirida em uma de suas reencarnações, na Espanha ou em outro lugar onde tenha aprendido essa língua, como acontece com as crianças prodígios que revelam talentos extraordinários (por exemplo, ao piano), sem que tenham recebido instrução na atual encarnação. Esse fenômeno anímico é validado pela espiritualidade na pergunta 17 do referido capítulo em O Livro dos Médiuns, como segue:
17ª A aptidão de certos médiuns para escrever numa língua que lhes é estranha não provirá da circunstância de lhes ter sido familiar essa língua em outra existência e de haverem guardado a intuição dela?“É certo que isto se pode ocorrer, mas não é regra. Com algum esforço, o Espírito pode vencer momentaneamente a resistência material que encontra. É o que acontece quando o médium escreve palavras que não conhece na língua que lhe é própria.” 
Os Espíritos então confirmam que esse tipo de animismo pode acontecer, embora não consista uma regra e que o mais comum seja uma manifestação provocada por um agente espiritual, ou seja, por via mediúnica.

Mais tarde, esse tipo de fenômeno seria chamado de xenoglossia.


Xenoglossia

Pelo que sabemos, a palavra xenoglossia foi cunhada pelo médico fisiologista francês Charles Richet (1850-1935) que a formulou a partir dos termos gregos xeno = estranho + glossia = língua, idioma. Segundo Richet, trata-se de uma capacidade metapsíquica, ou seja, aquilo que está além do estado psicológico normal, capacidade essa provinda do ser espiritual, preexistente ao estado de alma encarnada.

A xenoglossia tem sido apreciada por muitos estudiosos e, para os não materialistas (que vão se valer da teoria da reorganização neuronal depois de um distúrbio, ocasionalmente originário de um trauma), consiste em uma das mais fortes evidências da sobrevivência da alma pós-morte e, por conseguinte, da lei de reencarnação, pois de outra maneira o cérebro não teria como "criar" acidental e aleatoriamente um processo inteligente como o de falar um idioma — coisa nada fácil, aliás.

O pesquisador italiano Ernesto Bozzano (1862-1943) escreveu em 1933 um livro sobre o tema, cujo título é justamente Xenoglossia, no qual ele revela o apurado de suas pesquisas sobre essa capacidade metapsíquica.

Um clássico caso de xenoglossia foi o de Íris Farczády, uma mulher húngara que em 1933, aos 16 anos, repentinamente sofreu uma mudança drástica de personalidade, reivindicando ser "Lúcia renascida", uma trabalhadora espanhola de 41 anos que teria morrido naquele ano. Assumindo a personalidade "Lúcia", Íris passou a falar espanhol fluentemente — uma linguagem que ela nunca tinha aprendido  e supostamente a não conseguir entender qualquer outro idioma.

Mais recentemente, fenômenos de xenoglossia foram seriamente estudados por renomados homens da ciência, como o psiquiatra canadense Ian Stevenson (1918-2007), autor do clássico Vinte Casos Sugestivos de Reencarnação (Twenty Cases Suggestive of Reencarnation). Especialmente sobre xenoglossia, Stevenson publicou Unlearned Language: News Studies in Xenoglossy (Linguagens não aprendidas: novos estudos sobre xenoglossia). Um de seus principais discípulos, o psiquiatra Jim Tucker, professor da Universidade da Virgínia, EUA, é uma das mais brilhantes mentes científicas atuais a se debruçar sobre o tema, tendo relatado diversos casos em que crianças relembram vidas passadas, nalguns casos, com fluência em idiomas estranhos ao aprendizado da identidade atual, conforme se lê em seu livro Vida antes da Vida (Life Before Life: A Scientific Investigation of Children's Memories of Previous Lives).

Outro pesquisador sobre fenômenos anímicos e espirituais na atualidade é o psiquiatra nova-iorquino Brian Weiss. Em sua obra Muitos Corpos, Uma só Alma (Same Soul, many bodies), ele afirma ter submetido vários de seus pacientes a terapias de regressão de memória, adentrando reencarnações passadas, conseguindo que eles se expressem em idiomas daquelas vivências, diferentes da língua falada na presente encarnação. Portanto, produzindo a xenoglossia.


Xenoglossia bíblica

O mais popular e mais citado evento de xenoglossia é o ocorrido no dia de Pentecostes, conforme a narração bíblica. Diz o segundo capítulo do livro dos Atos dos Apóstolos (supostamente escrito por Lucas, o evangelista) que, cinquenta dias depois da ressurreição de Jesus (daí vem o nome pentecostes), os apóstolos estavam reunidos e se deu que "línguas de fogo" pousaram sobre eles e lhes encheram do "Espírito Santo", começando a falar em idiomas que eles não dominavam, mas que eram reconhecidos por expectadores a que os assistiam, que ficaram admirados por conseguir entender o que eles diziam em sua língua de origem.


Glossolalia

Segundo a Wikipédia, a xenoglossia se distingue da manifestação de glossolalia, que seria o fenômeno de expressar-se em língua estranha, mas, por sua vez, sem necessariamente o reconhecimento, de quem quer que seja, do significado da mensagem. É o que supostamente acontece em cultos fervorosos, como os frequentemente descritos em movimentos de igrejas pentecostais e de renovação carismática católica, que os religiosos chamam de "dom de línguas".

Em última análise, a Doutrina Espírita é clara e objetiva em defender que os chamados "fenômenos paranormais" — animismo (da própria alma) ou mediúnicos (por influência de um Espírito) —, exatamente por fugir do caráter dito "normal" de nosso cotidiano, há de ter sempre uma finalidade justa e precisa, seja para expiação, provação ou missão dos envolvidos. São esses fatos extraordinários que acabam por atrair consciências à natureza espiritual que, sem tais episódios, dificilmente seriam despertadas. Contudo, não basta ver, compreender e acreditar nas manifestações metapsíquicas e nem daí simplesmente deduzir a sobrevivência da alma além-túmulo e a lei de reencarnação: é preciso despertar-se para os compromissos espirituais. Se existe vida após a morte, se há uma ligação direta entre nossos atos do passados, do presente e do futuro, se há uma natureza espiritual etc., então cumpre-nos nos inteirarmos melhor sobre isso e, mediante os conhecimentos adquiridos acerca da espiritualidade, nos comprometermos com nossas obrigações espirituais. Para tanto, nenhuma doutrina melhor nos guia do que o Espiritismo de Allan Kardec.


terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Audiência Luz Espírita em Dez-2016


Confira aqui a audiência Luz Espírita em Dezembro de 2016, que, de antemão, consideramos extraordinária, graças à confiança de nosso público amigo.

O nosso Portal foi visitada por quase 40 mil usuários e o total de page views ultrapassou os 220 mil cliques.

Confira os destaques:




Os 10 livros mais acessados em nossa Sala de Leitura em outubro foram:


1 - O LIVRO DOS ESPÍRITOS
Allan Kardec
2.641 visualizações


2 - A CAMINHO DA LUZ
(Emmanuel) Francisco Cândido Xavier
2.439 visualizações


3 - BRASIL, CORAÇÃO DO MUNDO, PÁTRIA DO EVANGELHO
(Humberto de Campos) Francisco Cândido Xavier
2.114 visualizações


4 - TERAPIA ESPÍRITA
Louis Neilmoris
1.781 visualizações


5 - NOSSOS FILHOS SÃO ESPÍRITOS
Hermínio C. Miranda
1.525 visualizações


6 - VOLTEI
(Irmão Jacob) Francisco Cândido Xavier
1.423 visualizações



Carlos Torres Pastorino
1.400 visualizações


8 - TRANSIÇÃO PLANETÁRIA
(Manoel Philomeno de Miranda) Divaldo Pereira Franco
1.159 visualizações

9 - O GRANDE ENCONTRO FILOSÓFICO
Louis Neilmoris
1.031 visualizações


10 - A MÚSICA SEGUNDO O ESPIRITISMO
Ery Lopes
1.010 visualizações




Nas estatísticas do nosso Blog Espiritismo em Movimento, cuja audiência mensal ultrapassou os 16 mil visitantes.
As postagens mais acessadas no mês passado foram:


29 de nov de 2016, 13 comentários
4313
20 de abr de 2013, 8 comentários
426
28 de jan de 2013, 9 comentários
366
338
269

Toda a equipe Luz Espírita agradece a todos pela confiança depositada e claramente demonstrada pela enorme audiência.

Pedimos ainda a todos que curtam e compartilhem nossas postagens para que mais e mais a nossa Doutrina Espírita possa ser divulgada.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Léon Denis na Enciclopédia Espírita Online


O primeiro dia deste 2017 fez 171 anos do aniversário de nascimento dele, que até hoje é lembrado como um dos maiores vultos da História do Espiritismo.

Estamos falando do filósofo Léon Denis, que acaba de ganhar um verbete na Enciclopédia Espírita Online.
Léon Denis (Foug, França, 1 de janeiro de 1846 - Tours, França, 12 de abril de 1927), foi um filósofo, escritor e um dos principais ativistas espíritas nas primeiras décadas após a desencarnação do codificador do EspiritismoAllan Kardec. A fidelidade com a qual prestou aos conceitos kardecistas e o seu ímpeto em divulgar a Doutrina dos Espíritos fizeram com que passasse a ser conhecido como o "apóstolo do Espiritismo". Entre suas obras literárias, destaca-se O Problema do Ser, do Destino e da Dor.
Uma biografia rica de ensinamentos para nos dar ainda mais motivação na missão espírita a que todos somos convidados: divulgar a doutrina que ilumina nossas mentes e consola nossos corações.


Então, não perca tempo e conheça mais, agora mesmo, sobre a vida e a obra do "Apóstolo do Espiritismo".

Clique aqui e veja o verbete Léon Denis na Enciclopédia Espírita Online.

Videopalestra "Cura pela mente" com Virgilio Knupp


Nada melhor do que começar um ano novo com uma boa mensagem, não é mesmo? Pois então, a nossa sugestão é a videopalestra "Cura pela mente", proferida por Virgilio Knupp, realizada neste domingo, 1 de janeiro de 2017, na SCEE - Sociedade Colatinense de Estudos Espíritas, em Colatina, Espírito Santo.

Virgilio Knupp então se debruça sobre questões básicas de nosso dia a dia, como doenças físicas e psicológicas e suas relações com os ânimos e comportamentos espirituais do indivíduo, comentando a importância do conhecimento espírita para a busca de harmonização entre o corpo e a consciência.

Assista à videopalestra pela janela a seguir:


Visite também o blog da SCEE.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Relançamento: Programa Evangelho no Lar Online


A Equipe Luz Espírita tem a satisfação de anunciar o relançamento do Programa Evangelho no Lar Online, com videotransmissão ao vivo, todas as quintas-feiras, às 20h (horário de Brasilia) via YouTube, podendo ser acessado pelo link do Luz Espírita Live do nosso canal no YouTube ou mesmo pela página inicial do nosso Portal.

A primeira videotransmissão será nesta quinta-feira 5 de janeiro de 2017, apresentado pelo casal Janete e Rivail Junior, de Caxias, Rio Grande do Sul.

Clique aqui e conheça a página do programa.

Confirmando:
Programa Evangelho no Lar Online
Todas as quintas-feiras, às 20h (hora de Brasília)

Acessível via:


segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Relançamento: Painel da Música Espírita


O Portal da Luz Espírita acaba de relançar a página Painel da Música Espírita, com uma seleção de títulos muito sugestivos para elevar o seu astral.




Na nova página, você pode efetuar o download das músicas em formato mp3 e curtir em seu dispositivo preferido: celular, computador, pen-driver etc.




Você pode seguir o link do videoclipe da música, quando disponível no YouTube.




Em alguns casos, os músicos também compartilham do playback original da música. Quando este ícone estiver disponível, você pode clicá-lo para baixar o arquivo do playback em mp3.




E ainda há, em muitas músicas, a opção de link para a letra e a cifragem dos acordes, para quem toca instrumentos musicais, como violão, teclado etc.


Se você ainda está muito certo da importância da música para a nossa vida e, especialmente falando, para a divulgação do Evangelho de Jesus à luz do Espiritismo, então esta página traz uma relação de livros sobre o assunto, a exemplo de "A Música segundo o Espiritismo", de Ery Lopes; "A Música na Casa Espírita", de Rodrigo Félix da Cruz; e "Musicoterapia", de Delci Alves.

Se você é um espírita, músico e gostaria de compartilhar seu trabalho conosco, siga as instruções na mesma página que está sendo relançada.

Acesse agora mesmo o Painel da Música Espírita!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Há 45 anos: Pinga-Fogo 2 com Chico Xavier


Há exatos 45 anos a TV Tupi levava aos lares brasileiros mais uma edição do seu programa de sabatina "Pinga-Fogo". Só que aquela não seria mais uma edição, e sim mais um campeão de audiência, em função especial do entrevistado da noite: Francisco Cândido Xavier.

Aquela já seria a segunda participação de Chico Xavier no famoso programa. A primeira, realizada em 28 de julho daquele mesmo 1971, havia batido o record de audiência da televisão brasileira: cerca de 75% de todos os televisores no país estavam sintonizados na rede que retransmitia o Pinga-Fogo com Chico Xavier.

O sucesso da primeira entrevista com o médium espírita foi a motivação elementar para o segundo programa especial, cuja duração chegou a quase quatro horas, desta vez, com um Chico Xavier mais familiarizado com a plateia, com as câmeras, mais à vontade com o apresentador e com a banca entrevistadora, na qual estavam dois nobres espíritas: José Herculano Pires e o Dr. Hernani Guimarães Andrade.

Então, aproveitando o ensejo deste 21 de dezembro, vale a pena recordar o saudoso Chico Xavier em um dos mais memoráveis momentos da televisão brasileira, cuja repercussão foi extremamente relevante para a difusão do Espiritismo no Brasil.


domingo, 18 de dezembro de 2016

Enciclopédia Espírita Online - novo verbete adicionado: "Religião"


Acaba de ser adicionado mais um verbete à Enciclopédia Espírita Online: "Religião".

Em contexto: a etimologia desta palavra; a interpretação de Allan Kardec para o seu significado elementar; a questão de o Espiritismo poder ou não ser definido como uma religião; o caráter religioso espírita; a histórica disputa teórica e ideológica entre as religiões e as ciências etc.

Então, consulte agora mesmo esse e outros verbetes já disponíveis na Enciclopédia Espírita Online.

sábado, 17 de dezembro de 2016

Registro histórico: A primeira carta de Allan Kardec à sua futura esposa, Amélie Boudet


A seção "O Baú de Memórias" do jornal espírita Correio Fraterno edição deste dezembro traz uma matéria interessantíssima, assinada por Izabel Vitusso, sob o título: "A primeira carta de Kardec à Amélie Boudet".

Essa carta é um dos poucos itens que restaram do acervo original de Allan Kardec, depois do ataque promovido pelos nazistas em 1940, durante a II Guerra Mundial, quando a Maison des Espírites (um museu espírita em Paris) foi saqueada.

Nos seus 27 anos de idade, o jovem professor Rivail (que mais tarde, ao iniciar seu apostolado espírita, iria adotar o codinome Allan Kardec) remeteu essa correspondência em 13 de agosto de 1831, à sua namorada, e futura noiva, Amélie, então com seus 34 anos, que morava com seus pais, distante cerca de 19 km de Paris. Nela, feliz, o jovem apaixonado manifesta-se agradecido pela permissão concedida pelo pai da pretendida para trocar cartas diretamente com a senhorita, aproveitando para endossar a sua confiança na promissora união de que já tratavam, apesar só terem se visto uma única vez.

Eis a tradução da carta:

        Minha mãe acabou de receber a resposta do senhor vosso pai, à solicitação feita por mim, através dela. Apresso-me em aproveitar dessa permissão, que ele me concedeu, para vos exprimir diretamente toda a alegria que esse consentimento me proporcionou e quanto feliz eu seria que a vossa determinação pessoal corresponda à minha expectativa; confesso-vos, que ouso um pouco acreditar nisso, através da carta do senhor vosso pai e também pelo que me foi relatado pelas senhoras Musset e Boisset; essa esperança, senhorita, apressa ainda mais os meus votos para a chegada do momento em que eu poderei exprimir-vos, de viva voz, as esperanças de felicidade que eu deposito nessa união.
         Embora só tenha tido o prazer de ver-vos uma só vez, essa única entrevista me convenceu de que essas senhoras nada exageraram, ao pintar-vos com cores tão gentis. Anseio vivamente que nenhum obstáculo venha retardar a realização dos meus desejos.
      Sem dúvida, não vos será uma surpresa de não encontrar nesta carta o estilo muitas vezes empregado para tais ocasiões. Confesso-vos não ter nenhuma experiência nisso e não ter disposição para fazer demonstração enfática, cuja realidade repousa, muitas vezes, num sentimento demasiadamente fugaz.
       Prefiro, a essas vãs maneiras de demonstrações, a expressão de uma estima recíproca, a única capaz de assegurar uma felicidade duradoura, ao abrigo do tempo e das vicissitudes, e eu ouso acreditar que vós compartilhais desse meu sentimento e que os nossos pais verão, com maior satisfação, uma união fundada nessas bases.
     Eu gostaria de assegurar-vos, senhorita, que vós encontrareis em minha mãe e em meu tio, parentes que vos afeiçoarão como uma filha e que aguardam igualmente ansiosos que seus votos se concretizem, com sua chegada entre eles.
      A Sra. Musset me convida a anexar a esta carta dados referentes a meu nome, idade etc. para que seu pai possa ter acesso às informações necessárias para as formalidades que ele será levado a preencher em sua região. (Hippolyte-Léon Denizard Rivail, nascido em Lyon, no dia 3 de outubro de 1804, filho de Jean Baptiste-Antonie Rivail, advogado, e de Jeanne Louise Duharnel).
        Pedir-vos-ia, senhorita, ser a intérprete junto a vossa mãe e ao vosso pai dos sentimentos de mais elevada consideração, de minha mãe, do meu tio e de mim mesmo, expressando-lhe o quanto essa resposta foi motivo de alegria para todos nós.
      Aceita, senhorita, as homenagens mais cordiais desse que tem a honra em estar em total devoção.
        Vosso mais humilde e obediente servidor.

H.L.D> Rivail
Paris, 13 de agosto de 1831

Vê-se, portanto, quão gentil e amoroso era o codificador espírita.

Reprodução da fotografia da carta e do seu envelope:


Como sabemos, Rivail e Amélie se casaram em 9 de fevereiro de 1832 e permaneceram unidos por 37 anos, até a desencarnação do codificador espírita. Juntos, iriam contribuir sobremaneiramente para a democratização do ensino educacional na França e, mais adiante, em vista do bem da Humanidade, iriam trabalhar para a codificação do Espiritismo.